Direto de Minas - Artesanato mineiro: curiosidades e lugares para comprar

Artesanato mineiro: curiosidades e lugares para comprar
Artesanato mineiro: curiosidades e lugares para comprar 21/8/2020

Minas Gerais tem uma tradição de séculos na produção artesanal. De tal forma ao ponto de podermos falar em um artesanato mineiro.

Uma viagem por Minas Gerais traz sempre o tempero da gastronomia local, o carinho da hospitalidade e a beleza de suas paisagens naturais e históricas. Mas fica ainda mais gostosa se for recheada com o teatro, a música, a literatura e o artesanato mineiro, que encantam pelo Brasil afora. E, em se tratando de artesanato, você tem muito a descobrir em Minas Gerais!

Por aqui, materiais como cerâmica, madeira, pedra-sabão e ferro dão vida a belíssimas peças, que decoram casas e estabelecimentos no mundo inteiro. Muita gente conhece e logo identifica, por exemplo, a famosa cerâmica do Vale do Jequitinhonha, as detalhadas peças de pedra-sabão de Ouro Preto ou a rica prataria feita em Tiradentes e São João Del-Rei. Essas são algumas das vocações do artesanato mineiro.

 

Onde encontrar artesanato mineiro em pedra-sabão?

 

Desde o século XVIII, a pedra-sabão é extraída das minas em Santa Rita de Ouro Preto para dar forma a joias, panelas e outros utensílios. Diversos artesãos se concentram hoje na região da histórica Ouro Preto, aproveitando os turistas para vender seu artesanato. A tradicional Feira do Largo do Coimbra reúne mais de 50 artistas especializados e mostra a diversidade de peças e criações.

 

Onde encontrar artesanato mineiro em madeira?

 

O vilarejo de Bichinho, a 7 km de Tiradentes, ganhou fama nos anos 1990, quando o coletivo de artesãos Oficina de Agosto foi criado. A partir de então, os móveis e esculturas feitos em madeira de demolição foram ficando famosos e passaram a ser vendidos em todo o Brasil e até mesmo no exterior. A pequena Bichinho, que tem o nome oficial de Vitoriano Veloso, passou a atrair viajantes de todo o Brasil.

 

Onde encontrar artesanato mineiro em cerâmica?

 

No nordeste do estado, o Vale do Jequitinhonha ganhou fama pelos baixos índices de desenvolvimento social, mas também pela riqueza cultural destacada pela produção de cerâmica. Herança de influências indígenas, a tradição de fazer peças utilitárias a partir do barro foi passando de mãe para filha até os dias de hoje. Se aprimorou e ganhou o mundo. Atualmente, as mulheres do Vale, conhecidas como paneleiras, são responsáveis pela criação e comercialização de bonecas encantadoras e únicas, flores, animais e peças decorativas que vão muito além dos utensílios domésticos iniciais.

Em uma viagem pelo Vale do Jequitinhonha é possível não só conhecer de pertinho a produção do artesanato mineiro, mas também as mulheres responsáveis por essa arte. E dá até para arriscar seu talento nas oficinas de cerâmica!

 

E tem mais!

No município de Curvelo, é impossível não se surpreender com as esculturas de ferro da Dedo de Gente, uma cooperativa que incentiva a produção de artesanato mineiro e brasileiro entre jovens através de “fabriquetas”. Além da arte em ferro, que é o grande carro-chefe da organização, os jovens trabalham com madeira, bordados, reciclados, culinária e outros produtos. Visitar a loja da Dedo de Gente, no centro da cidade, é um passeio inspirador!

Já a cidade histórica de São João Del Rei ganhou fama pela sua produção de artesanato mineiro em estanho, que tem até selo de qualidade. O estanho era muito usado no dia a dia pela nobreza europeia até ser deixado de lado pela porcelana. No Brasil, outros produtos também substituíram o material, que virou produto mais apreciado por colecionadores. São João Del Rei ainda abriga a mais antiga fábrica de estanho do Brasil, a John Sommers, e o Museu do Estanho.

 

Deu saudade de viajar e trazer aquele monte de artesanato de decoração, não é? Mas lembre-se que não é apenas decoração, você leva na bagagem uma parte da cultura de onde visitou, e não somente um souvenir.

Não há comentários para este post, seja o primeiro!
Nome
E-mail
Seu e-mail não será exibido.
Comentário
© Copyright 2020 | Direto de Minas - Todos os direitos reservados